quarta-feira, 6 de novembro de 2013

72 anos de Art Garfunkel



Nascido a 5 de dezembro de 1941, em Forest Hills, Nova York, Estados Unidos, Arthur Ira Garfunkel, mais conhecido no mundo da música como Art Garfunkel, completa hoje 72 anos de idade. Cantor e ator norteamericano, entre os anos de 1958 e 1970, formou com Paul Simon, uma conhecida e bem sucedida dupla de folk rock dos anos 60, a Simon & Garfunkel.
Amigos de infância, Art e Paul, filhos da comunidade judaica, cresceram no bairro predominantemente judeu, Kew Gardens Hills, Queens, em Nova York. Moravam a três quarteirões de distância um do outro. Se conheceram na época de escola primária, a Parsons Junior School e Floresta Hills High School, em 1953, quando interpretaram a encenação de Alice no País das Maravilhas, em que Simon era o Coelho Branco e Garfunkel, o Gato de Cheshire.
Adolescentes, em 1957 formaram uma dupla, Tom and Jerry, começaram a escrever suas próprias canções, alcançando relativo sucesso com seu primeiro single, “Hey Schoolgirl!”. Em 1957, gravaram profissionalmente para Sid Prosen de Big Records.
No início dos anos 60, após o fim do Ensino Médio, Art e Paul foram estudar em faculdades diferentes. Paul Simon foi cursar a Faculdade de Letras, e a parceria se desfez momentaneamente. Em 1963, a dupla voltou novamente a trabalhar juntos.
Em 1964, a dupla alcançou fama como Simon &Garfunkel, gravaram um álbum acústico e, mesmo contendo em uma das faixas, uma música de sucesso, como a “The Sound of Silence”, no momento não alcançou grande sucesso comercial.
Paul Simon foi para a Inglaterra, retornando à América em 1965. Encontrou o hit “The Sound of Silence” transformado em um clássico do folk-rock. A gravadora havia acrescentado instrumentos como baixo, guitarra e bateria à música. No reencontro de Paul e Garfunkel, gravaram um novo álbum, agora com instrumentos elétricos, o “Sounds of Silence”.
Outros sucessos da dupla viriam a seguir, alcançando as paradas de sucesso. Entre tantos hits famosos, destacamos “I Am a Rock” (1965), “Homeward Bound” (1965), “Mr. Robinson” (1968), que representou o auge do sucesso da dupla. Além da contribuição com canções para a trilha sonora do filme “A Pimeira Noite de um Homem”, em especial, “Mr. Robinson” . A dupla ganhou vários Grammys, e foi incluída no Hall da Fama do Rock and Roll em 1990, e no Hall da Fama da Música de Long Island, em 2007.
O sucesso da dupla aumentava, entretanto, a relação entre Paul Simon e Art Garfunkel  estava cada vez mais abalada. Devido ao relacionamento conturbado e a desentendimentos artísticos entre ambos, chegando mesmo a adiar o lançamento do último álbum, Bridge Over Troubled Water, de 1970, álbum de maior sucesso da dupla,  a dupla se separou. Art e Paul partem para a carreira solo.
Em meados dos anos 70, a dupla se reconciliou. Art e Paul colaboraram mutuamente em músicas solo de cada um, mas a parceria não foi  reatada. Art e Paul tem se reunido esporadicamente em apresentações de programa de TV e em outros eventos/acontecimentos.
Em sua carreira solo, Garfunkel, mesmo contando com letras e a colaboração de outros músicos, como Jimmy Webb ou Randy Newman, não atinge o sucesso equiparável ao da dupla no passado. Seu trabalho solo inicia-se mesmo em 1973 pois, entre os anos de 1970 e 1973, Art atuou como ator em dois filmes de Mike Nichols. Em 1973, Art lança o disco “Angel Clare”, que entra para as paradas de sucesso devido ao single “All I Know”. Em 1975, lança seu álbum mais bem sucedido, o “Breakaway”.
Ainda no mesmo ano, Paul e Art reunem-se numa atuação conjunta no programa da TV norte-americana Saturday Nigth Live. Em 1977, Art lança o disco “Watermark”, sem grande sucesso, reeditado em 1978, com uma versão de “Wonderful World” de Sam Cook (com coros de Paul Simon e James Taylor). Em 1978, “Fate For Breakfast” é mais um lançamento. Em 1979, Art atua novamente como ator em dois filmes: “Bad Timming” e “Illusions”.
No ano de 1981, após a edição de “Scissors Cut”, Paul e Art reencontraram-se para um mega evento, em Nova York, que reuniu mais de 500 mil pessoas, no Concerto no Central Park, o sétimo evento musical mais assistido na história da música. No concerto, Art e Paul interpretaram sucessos da carreira conjunta e da carreira solo de Paul e Art. O evento acabou rendendo um álbum duplo e Videotape (cassete VHS). A atuação foi tão bem sucedida, que Art e Paul resolveram embracar numa turnê mundial de um ano. Desavenças novamente levam a dupla a se separar.
Outros eventos marcariam um breve reencontro de Art e Paul e os fãs, ansiosos esperam o retorno daquela dupla que marcou os anos 60 com músicas e sucessos inesquecíveis.