segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A Capa do disco IV do Led Zeppelin



O quarto álbum de estúdio do Led Zeppelin, banda britânica de rock, que começou a ser gravado em 1970 e lançado em 8 de novembro de 1971, e não teria título oficial. Não teria nome na capa, não teria créditos, absolutamente nada! Jimmy Page, guitarrista e líder do grupo, quando interrogado acerca da não titulação deste, alegou não haver necessidade, uma vez que “nomes e títulos não significavam nada”. Conhecido apenas por Led Zeppelin IV, o álbum traz na capa frontal do disco, uma paisagem de um bairro da cidade natal de Robert Plant, Birmigham, Inglaterra. O quadro pendurado na parede, foi inspirado numa pintura a óleo que Jimmy comprou num antiquário da cidade de Reading, Inglaterra. Sua interpretação é diversa. A mais aceita é a de um camponês velho, não aguentando o peso dos galhos que está levando, e evoca ainda, a imagem da necessidade das pessaos plantarem e cuidarem melhor do planeta Terra, ao invés de colher em excesso e destruí-lo.
Na parte interna do LP,  uma figura macabra favorece ainda mais a atmosfera misteriosa e sinistra do álbum. Creditada a Barrington Colby, a ilustração, conhecida como The Hermith (O Eremita), carregando uma lanterna, foi inspirada na carta homônima no baralho de Tarot. Curiosamente, pode-se observar um rosto entre as rochas, abaixo do eremita, se a figura for observada na frente deum espelho. Alguns visualizam a face de um cão negro, advindo daí a teoria de que seria o “Black Dog” da música.
Stairway to Heaven”, a principal faixa do álbum, a canção de maior sucesso do ano, considerada uma das melhores gravações musicais de todos os tempos, foi composta por Jimmy Page, em parceria com o vocalista Robert Plant.
O disco teria misturados na capa e no encarte interno, símbolos aleatórios, representando os quatro integrantes do grupo: Jimmy Page, John Paul Jones, John Bonham e Robert Plant. O álbum, comumente referido como Led Zeppelin IV, costuma também ser chamado de Four Symbols (Quatro Símbolos) ou “The Runes”, As Runas, (apenas os dois símbolos do meio, são realmente runas, os outros dois, símbolos mágicos ou de múltiplos sentidos).
O álbum IV é cheio de mistérios, carregado de simbolismos, além dos temas das músicas. Ao relacionar os símbolos presentes na capa do Disco IV aos quatro elementos do grupo, os integrantes do Led Zeppelin procuraram agregá-los a fatos e ou crenças pessoais.
Jimmy Page, o guitarrista da banda, declarou que ele projetou seu próprio símbolo, associado a uma palavra grega, ZoSo, de significado desconhecido até hoje, uma vez que Page nunca revelou publicamente o sentido atribuído a esta representação. Segundo argumentações, tal figura apareceu pela primeira vez, no livro Ars Magica Arteficii, de 1557, escrito pelo alquimista Gerolamo Cardano, identificado como um símbolo composto por signos do Zodíaco.  Em 1982, foi reproduzido no Dicionário de Ocultismo e Símbolos Alquímicos, de Fred Gettings. A parte Z do emblema, em rituais de magia, é utilizada para representar o planeta Saturno, e escolhido por Page, por este ser capricorniano, signo regido por Saturno. A parte Oso, é parecida com o símbolo alquímico de Mercúrio, também muito associado a Saturno.
O baterista John “Bonzo” Bonham, escolheu para representá-lo, o emblema em que aparecem três círculos interligados, representando a trindade familiar entre o homem, a mulher e a criança. Visto de cima, assemelha-se também a uma bateria. Bonham quis também atribuir uma conotação cômica ao símbolo, uma vez que este também aparecia no rótulo da cerveja Ballantine, sua favorita.
 John Paul Jones, o baixista da banda, escolheu um símbolo semelhante e invertido ao de John Bonham, simbolizando no jazz, uma das grandes influências da banda, que o baixista e o baterista formam partes interligadas de uma seção rítmica. Composto por três formas ovais que se interceptam e são circundados por um único círculo. Tirado de um livro de runas, simboliza uma pessoa confiante e competente.
Já o vocalista Robert Plant, adotou um símbolo inspirado na deusa egípcia Ma’at. Uma pena, significando verdade, justiça e lealdade, envolta por um círculo impenetrável que significa vida. Segundo a mitologia egípcia, quando uma pessoa morria, a alma passava por um julgamento. Anúbis, deus do julgamento e da morte, colocava em um dos pratos da balança, o coração do morto (simbolizado por um escaravelho) e no outro, uma pena de Ma’at. Se o coração pesasse mais do que a pena, a alma do morto iria para o inferno, caso contrário, se a pena pesasse mais, a alma seria absolvida. Robert Plant considerou esta associação uma perfeita alusão à música da banda.
Four Symbols contou ainda com um quinto símbolo, no encarte interno do álbum, em homenagem a Sandy Denny (vocalista do grupo Fairport Convention), representando sua participação especial na faixa “The Battle of Evermore”. Nesta, a cantora fazia a segunda voz, e canta junto com Robert Plant, o refrão em que cita os portões de Avalon, em uma canção com letra inspirada no livro O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien.  Com sua linda voz, Sandy foi a única a participar de um álbum do Led Zeppelin. A vocalista faleceu em 1978.  O pequeno emblema representando Sandy servia como um asterisco, na forma de três triângulos invertidos, tocando em seus pontos.